Nelo & Idália às "resmas"
2015/10/imprensa_rtp_nelio_e_idalia_ntv_20151016155742
Ivo Geraldes
16.OUT.2015

Estivemos nos bastidores da nova sitcom da RTP1, que se estreia esta sexta-feira, às 21.50, e constatámos: a boa disposição reina entre atores e a produção.

Nelo & Idália estão de volta aos ecrãs com uma sitcom de 26 episódios e trazem todo o universo familiar que o público ainda não conhece. As gravações já começaram. "Cada episódio é gravado em dois dias. As coisas já vêm todas escritas e decididas, por isso quando chegamos aqui já sabemos para onde vai cada um", explica Herman José, que está assim de regresso ao humor e à escrita.

"Voltar é um privilégio, apesar de inquietante. Hoje em dia a televisão deixou de apostar neste género de formatos. As novelas funcionaram um bocado como eucaliptos, secaram tudo o que está à volta: têm música, fazem humor, vendem pessoas, têm drama e tudo o resto ficou seco. Na América e em Inglaterra a produção de comédia é muito importante. Os programas de humor são muitas vezes a coluna dorsal das programações, por isso ter a teimosia de apostar nestes formatos é muito bom", conta o humorista, que está envolvido ao máximo no projeto, assistindo a todas as gravações, mesmo aquelas em que Nelo não participa."Tenho que estar presente em todas as cenas porque a direção de atores é absolutamente essencial. Cada ator tem um papel específico e nós estamos a fazer isto com um rigor quase cinematográfico. Frase a frase, linha a linha", explica. E foi o que fez, por exemplo, numa cena em que só participava a filha de Nelo, Carla (Rita Tristão da Silva), que se fica a saber no segundo episódio que é "sócia de uma empresa que vende ogivas para o Irão e armas para o Iraque". "Independentemente de se ter uma preferência para a comédia ou para o drama, é um sonho poder trabalhar com o mito e com o mestre", afirma Rita Tristão, referindo-se aos seus "pais".

Aliás, o "mestre" esteve sempre ao lado da atriz, dando-lhe dicas sobre o tom com que devia dizer o texto e, só depois de algumas tentativas e do seu aval positivo, é que a cena ficou concluída. Numa tentativa de conceder uma maior credibilidade à personagem como traficante, Herman chegou a sugerir que Carla fumasse um cigarro. No entanto, depois de uma conversa com a produção executiva, concluiu-se que não seria aconselhável, já que se trata de um programa familiar.

Também Maria Rueff mostra estar satisfeita por voltar a contracenar com Herman José. "Sentia falta de estar novamente ao lado dele", diz. Um desejo partilhado pelo comediante. "É um prazer trabalhar com a Maria, uma atriz única na sua geração".

A boa disposição reina nos bastidores da sitcom, até mesmo durante as gravações. "Hoje [segunda-feira] gravámos uma cena em que o Nelo põe a filha mais nova, Aidinha (Inês Sobral), a dormir no meio dele e da Idália porque é a noite definida no calendário para fazerem amor", conta o humorista. Um momento que leva os atores a não conter os risos e a terem que repetir algumas vezes o momento, o que quase termina com um candeeiro partido. "Espero que os objetos se mantenham porque são obras de arte de um valor incalculável", brinca Herman.

Do elenco fazem ainda parte Martinho Silva (que interpreta Elias, o namorado de Aidinha) e Márcia Breia (na pele de Anália, senhoria da casa, que faz de tudo para os tirar de lá).

comentários