O apaixonado por BD que anda sempre bem vestido
Tiago Henriques com Carla Bernardino
12.MAR.2015

Dotado de um sentido de estética "muito particular", adora vela e perde-se a ouvir jazz. Fã do bacalhau com maionese da mãe, adora comida libanesa. Eis Paulo Dentinho, o português que há uma semana entrevistou o líder da Síria.

"Ainda me sinto confiante em alguma informação que se faz em Portugal tendo gente do calibre do Paulo a trabalhar e espero que ele tenha recolhido dos ambientes em que trabalhámos a camaradagem e os ensinamentos que retirei." As palavras são de Mário Crespo, que designa o amigo como um dos "bons jornalistas que Portugal tem". Trabalharam juntos na redação do extinto Jornal das 9, da RTP1, e foram colegas durante vários anos no canal do estado. E o antigo pivô da SIC Notícias não se esquece do tempo em que foi correspondente da RTP nos EUA e Dentinho editor de Internacional. "Nessa altura tinha muita confiança sempre que era o Paulo a receber o meu trabalho. Se era preciso cortar alguma coisa, ele fazia-o com extrema consciência, o que não era normal naquele tempo, havia muita tendência para cortar peças a metro. Ele dedicava-se muito a não estragar o trabalho do correspondente, daí que seja um correspondente tão bom", afirma.

Também António Mateus não poupa nos elogios ao trabalho do amigo. "Era um editor a sério, uma pessoa que tinha noção clara do que era ser um repórter no terreno. E como repórter é altamente trabalhador, minucioso e rigoroso. Prepara cuidadosamente todos os dossiês. É muito sólido, em caso de dúvida não publica as coisas", clarifica o jornalista.

Nascido a 30 de setembro de 1959, em Moçambique, "no mato", cedo veio viver para Portugal. Desde tenra idade que mostrou vontade de vingar no mundo da comunicação, influência que vem de família. Os seus pais separaram-se quando ainda era criança e foi pela mão do padrasto, Carlos Pina, que começou a trabalhar na área, então como paquete.

"Parte das memórias que tenho do Paulo são dele já como jornalista. Ele foi buscar essa área à família, até porque o padrasto foi diretor de um jornal diário", conta à Notícias TV Pedro Lima, primo de Paulo Dentinho. Apesar de serem mais de dez os anos que os separam, o ator da TVI nunca sentiu diferenças no trato por parte do familiar. "Sempre senti que olhava para mim com algum orgulho. Desde miúdos que nos divertíamos muito", diz.

Dentinho estudou Filosofia na Faculdade, mas não chegou a terminar o curso. Começou a trabalhar na secretaria de redação da RTP, uma espécie de "biscate", como o próprio considera, e acabou por não voltar às aulas. Não mais mudou de vida. Percorreu o mundo em reportagem e já foi correspondente da televisão do Estado em locais como Moçambique ou Timor e vive desde 2006 em França, tendo já entrevistado nomes sonantes da política internacional, como Muamar Kadhafi ou Bashar al-Assad, na passada semana. Mário Zambujal cruzou-se com ele no início da carreira e já antevia um percurso deste gabarito: "Sempre foi um tipo cuja evolução eu acompanhei, já nos conhecemos há mais de vinte anos e sempre o vi como alguém cheio de brio e de capacidades. O Paulo acaba por se revelar mais quando passa a correspondente internacional. Cá, já nas mais pequenas e discretas coisas demonstrava brio e vontade de fazer bem", recorda.

Nos nove anos em que já está em Paris, Paulo Dentinho trabalhou por diversas vezes com Daniele Vella, repórter de imagem. "O trabalho mais importante que fizemos juntos foi a cobertura do referendo da Escócia. Foi um momento muito importante quer histórico quer jornalístico e o que aprecio quando trabalho com o Paulo - e não encontro nos outros - é o facto de se ocupar muito com os detalhes, pensa nas imagens e não apenas em escrever o texto. Ele tem sempre uma visão clara dos assuntos, é muito fácil trabalhar com ele", diz. Afnan Steele, produtora jordana que o conhece bem, não tem dúvidas de que "nada o intimida e nada o para no processo de dizer a verdade". "Ele é o tipo de correspondente que conta histórias por contar e com o elemento humano e isso é o que faz dele respeitado e credível. Eu acredito no que ele diz",frisa.

Foi durante a sua estada em Moçambique que Paulo Dentinho decidiu adotar uma menina africana, Mariana, hoje com 16 anos. "Ele é uma referência como pai de família, até pela coragem que revelou ao tomar a decisão de adotar uma menina na altura em que estava em Moçambique, uma menina que encontrou em situações dramáticas", conta Pedro Lima. O jornalista é atualmente casado com Ana Nave Dentinho, técnica superior do Ministério dos Negócios Estrangeiros, de quem tem dois filhos, Henrique, seis anos, e Leonor, de cinco, sendo ainda pai de Beatriz, 21 anos, de um anterior casamento.

Homem ligado à família, é um elemento fundamental em reuniões, como destaca o primo: "Tenho sempre muitas saudades, porque ele é um elemento fundamental no convívio familiar, porque para além de ser um mensageiro da notícia, é uma pessoa com um sentido de humor enorme", ressalva Pedro Lima, que partilha com Dentinho o gosto pela cozinha: "Ele adora comer. Há um bacalhau com maionese que a minha tia Helena [mãe de Paulo] faz, que nos enche as medidas. Já o tentámos reproduzir, mas não conseguimos", ri-se, acrescentando: "A minha tia também faz uma tarte de gelado de chocolate e amêndoa que adoramos. Normalmente até brincamos e dizemos que é metade para mim, metade para ele e o resto para os outros", acrescenta. Afnan Steele, produtora jordana, destaca outros hábitos do amigo: "O Paulo adora croissants e pão, bem como comida libanesa. E desde sempre que partilhamos a paixão pelo azeite português. Aliás, sempre que ele vai a Portugal peço-lhe para me trazer", conta à Notícias TV.

Também António Mateus conhece o gosto do amigo pela cozinha e por cozinhar, mas destaca outra característica de Dentinho: "Ele tem um sentido de estética muito invulgar, um sentido de design dos seus objetos pessoais muito próprio. A casa dele em Lisboa era perfeitamente organizada. Os espaços todos meticulosamente e inteligentemente aproveitados. O espaço físico à volta do Paulo é como o cérebro dele: está tudo no sítio certo", confidencia. Um gosto que se reflete também na forma como o correspondente da televisão pública em França se apresenta: "Veste-se em smart casual e nunca anda mal vestido. Pode andar descontraído, mas sempre bem vestido. Não é um exibicionista mas sabe que a sua imagem corporal também faz parte da sua credibilidade", salienta.

Já o amigo Lourenço Medeiros destaca a paixão de Dentinho por banda desenhada: "Ele, para além de ser muito amigo do seu amigo, ao ponto de estando em Timor ser o primeiro a ligar-me para me dar os parabéns, acerta sempre no presente que me oferece. Ambos partilhamos o gosto por banda desenhada e ele sempre me deu a conhecer vários exemplos novos. E sabia sempre que eu ia gostar", conta o jornalista da SIC.

Apaixonado por música, é um grande apreciador de jazz, tendo passado esse gosto para Pedro Lima: "O Paulo foi uma grande influência para mim em termos de gosto musical. Gosta muito de jazz, conhece tudo e mais alguma coisa e tem uma coleção enorme de discos, desde muito jovem", aponta. Com o amigo Mário Crespo partilha o gosto pela vela: "Ele gosta muito, assim como eu, já andamos os dois à vela pelo rio Tejo", frisa o comunicador.

comentários